Home

Visita Lar São Tiago

Abril 4, 2014

Olá blogueiros, hoje vamos contar um pouco de nossa visita ao Lar São Tiago que aconteceu no último dia 29/03/2014, os relatos abaixo são e-mails de membros do Grupo passado após a visita ao Lar, nossa intenção não é expor os membros, muito menos as pessoas do Lar e sim o sentimento que se enraizou em cada um, confira:

Danilo Silva:

“Eu particularmente senti que essa ação foi algo diferenciado.” Talvez pelas discordâncias que antecederam as dificuldades q sempre temos, enfim. Tinha uma expectativa pouco diferente dos adolescentes, achava q seriam todos mais maduros, mas vi que alguns ainda estão na fase de “criança em formação” e outro que “passaram do ponto”.

Andrea Rodrigues:

“Ver aquela realidade me transformou sobremaneira. Não posso e não consigo acreditar que uma criança de 10 anos seja caçada como rato por não ter tido amor. Fico imaginando como aquele garoto de olhos tristes e carente foi gerado e inúmeros porquês não são respondidos. Desde sábado a minha cabeça martela em pensamentos que me destroem como ser humano. Nada de sonhos, nada de perceptiva sólida, nada de nada. Afinal de quem é a culpa?

É quase impossível acharmos resposta para esta minha pergunta. “Sinto-me feliz por ter participado, graças aos esforços mútuos, fizemos o combinado e acredito que eles, ao menos, ficaram satisfeitos”.

Izabel Caetano:

“Pois é amigos. Foi uma experiência e tanto. Quando encontramos irmãos assim tão especiais, filhos do mesmo Pai e que não tiveram a oportunidade que nós tivemos de viver o amor, a união, o aconchego do Lar e da Família, de ter oportunidades e sonhos e possuir meios de ir atrás deles, de escrever uma história diferente em suas vidas, sinto vergonha das minhas atitudes mesquinhas e egoístas, quantas vezes ingratas , perante a tudo o que sou e tenho, perante a tantas oportunidades que já tive na vida.
Por isso, que Deus me perdoe e abençoe o trabalho desse grupo do qual eu fiquei muito feliz em ingressar, pois eu sempre tinha vontade de fazer alguma coisa, mas até então, só falava, não agia. Através do Grupo comecei a fazer com que os pensamentos e palavras tornassem-se obras, podem ser ainda pequenas, mas são obras. Obrigada a todos pela atitude e pelo gesto de fazer a diferença na vida das pessoas e vamos em frente, pois o caminho se faz caminhando.”

Rogério Sabino:

“Muitas vezes culpamos governos, igrejas e qualquer pessoa, porém, não vemos que somos responsáveis por essa decadência, pois, se conseguíssemos nos unir contra esse mal com certeza teríamos uma sociedade melhor. Não é o Solidary que precisa se unir é toda a sociedade ou daqui a 50 anos ou menos quando estivermos partindo desse mundo, nosso filhos, netos e bisnetos encontraram um lugar hostil de muita individualidade de pouco amor e muito pouca sabedoria. Contudo, parabéns a todos que tiraram dez minutos de seus dia para que esse dia fosse concretizado, seja através de uma venda de rifa, seja pelo simples ato de compartilhar uma mensagem, comemos, bebemos, jogamos bola e fizemos uma grande doação e isso só foi possível devido ao seu empenho a sua vontade de ajudar!

Sandra Almeida:

“Estava de longe fisicamente, mas com o coração muito próximo de tudo o que estavam fazendo ou partilhando. Como estava de fora, tive uma dimensão muito maior do que é fazer parte desse grupo, e o quanto a nossa ação é importante para tantos, pois às vezes quando estamos dentro não percebemos essa totalidade e tamanha importância.”

Agradecemos todos aqueles que proporcionaram essa ação, obrigado a todos que prestigiaram a Feijoada Solidária e comprou a Rifa, sem vocês nosso trabalho não teria sentido.

Fazer o bem sem olhar a quem!

Anúncios

2 anos

Fevereiro 17, 2014

Hoje completam dois anos de Grupo Solidary e essa data não poderia passar sem agradecermos todas as pessoas que confiam e entregam seus bens para que possamos repassar para quem necessita.
Nesses dois anos vivemos muitas batalhas, vivemos problemas os quais não imaginaríamos a dois anos atrás, porém, o amor no coração de cada membro de cada doador fez com que acreditássemos que é possível levar pequenos momentos de felicidade para quem não tem ninguém.
Nesses dois anos conhecemos pessoas que nos ensinam o verdadeiro sentido de viver, descobrimos que somos felizes e não reconhecemos que somos livres e que podemos sair e entrar em casa quando quisermos. Descobrimos que podemos e devemos almoçar com a família aos Domingos, que recebemos carinho de nossos pais e mães ou de pessoas que nos criaram. Contudo, ainda encontramos motivos para reclamar, murmurar nos achar dignos de pena e quem sabe chegar a uma depressão.
Depressão é o que muitas das pessoas que visitamos possuem e mesmo assim nos recebem com belos sorrisos que ao cumprimentar nos beijam como se fossemos a última pessoa do mundo devido ao amor que colocam em seus lábios doces ou calejados pelo tempo.
Nesses dois anos descobrimos que a ajuda física é importante, porém, o carinho e a atenção são os melhores presentes que poderíamos doar que um ouvido pode fazer mágica e que a viagem ao passado pode ser algo prazeroso para quem conta e para quem ouve, nem sempre fatos felizes, porém, o ato de contar e de ter alguém ali prestando atenção alivia a dor que consome o coração.
Dois anos os quais crescemos, não apenas em nossa atuação no Facebook, mas, também em número de membros, ano passado nessa data éramos 05, hoje somos 08, algumas desistências as quais sentimos muita falta, mas, uma confiança plena na vontade e no amor de cada membro desse Grupo.
Nossos doadores crescem a cada dia assim como as visitas ao Grupo e a participação em suas ações, parceiros importantes foram aparecendo durante esse ano os quais torcemos que continuem conosco e que possamos atingir ainda mais pessoas e parceiros para o Grupo.
Iremos promover em Fevereiro nossa feijoada que além de ajudar nossa próxima ação será um dos eventos de comemoração dos dois anos de Solidary, um sucesso de venda e com certeza faremos de tudo para fazer um evento com a qualidade que todos merecem.
Dia 08/03/2014 vem nossa primeira ação desse ano, ela será realizada no Lar São Tiago, pedimos apenas que reservem essa data.
Contudo agradecemos a todos que colaboram e acreditam em nosso trabalho.
Um grande abraço.
Grupo Solidary

Oi amigos, sou Rogério, um dos membros do Grupo Solidary e gostaria que tirassem 10 minutos do seu dia para ler esse post.
Há quase dois anos faço parte desse Grupo, que tem o intuito de ajudar e levar o bem sem ver a quem!

Um trabalho surpreendente e bonito de se fazer, algo que faz bem para todos, os que são ajudados e principalmente quem ajuda. O Voluntariado não é algo fácil! Ao contrário, ele é muito difícil e requer muita paciência e dedicação para que possa ser realizado com sucesso.

Dias atrás, parado em meu sofá comecei refletir sobre pessoas reclamando do poder público, das condições de moradia, infraestrutura e de outros itens que com certeza precisam ser melhorados, porém, sempre pergunto ao meu coração:
O que posso fazer para ajudar? O que posso fazer para me tornar parte integrante desse mundo de um modo que some e não subtraia bons sentimentos e sorrisos?
Em nossa última ação “Caminhada com os moradores do Lar Nossa Senhora da Conceição”, peguei a pensar o quanto as pessoas perdem em ficarem em suas casas e não lutarem por um mundo melhor. Por um instante na caminhada parei e observei cada rosto, as lágrimas naquele momento não eram de tristeza e sim de felicidade, o sorriso dos membros do Grupo e de quem foi ajudar eram de pura gratidão e felicidade por um instante nada poderia tocar aquele pedaço de céu que todos nós construímos.
Na volta para a casa tive a oportunidade de estar com os moradores na perua e recebi alguns agradecimentos e elogios pela manhã especial que tivemos, no outro dia, umas das colaboradoras do Lar nos informou que eles gostaram muito e contavam daquela manhã para as colaboradoras que não estiveram conosco…algo sem palavras para traduzir.
O que me impressiona é que algo simples que durou de três a quatro horas pode trazer um sentimento tão bom para todos que lá estiveram. Às dificuldades para realizar a ação foram esquecidas e o AMOR tomou conta do coração de cada um de nós.
Não foi necessário fazer uma superprodução e nem “perder” tempo como muitos pensam, na verdade ganhamos muito mais do que eles com cada sorriso conquistado, com cada palma batida, com cada obrigado ouvido, com certeza um momento único na minha vida, mais um além daqueles que já participei e que trago registrado em meu coração.
Quero enaltecer a presença de meus amigos e companheiros de Grupo Solidary Verônica, Sandra, Gilmar, Danilo, Gilcimar e Rafael que me trazem uma alegria muito grande e a certeza que as coisas sairão certas e que o amor será pleno em cada gesto que eles praticam!
Escrevo essas linhas, pois, gostaria que todos vocês sentissem a alegria e a sensação de gratidão que o voluntariado proporciona, com ele, conseguimos ser melhores como pessoa e ter mais calma para resolver nossos problemas, além de levar esse amor que transborda em nosso coração, por encontrarmos carinho onde pensamos não existir, por fazer parte de tudo isso que me transforma a cada dia e mostra que ficar no sofá parado assistindo TV não ajudará em nada o próximo e principalmente o meu coração que se sentiu sozinho e vazio por muitos dias e que hoje se encontra cheio de fé, esperança e amor cheio de vontade de cada dia mais poder levar o BEM SEM VER A QUEM!
Não posso deixar de agradecer todos que ajudam o Grupo Solidary, vocês são financiadores de sonhos, se não fossem por vocês nada poderia ser realizado e conquistado, vocês fazem toda diferença e minha torcida é que possam nos acompanhar nessas missões que despejam alegria e força em nossos corações…
Que possamos sempre manter essa união e levar força e carinho para todos aqueles que precisam…
Abraços!

Imagem

Olá pessoal,

Com muita alegria trazemos uma nova entrevista, dessa vez quem respondeu nossas perguntas foi uma das moradoras da Alivi, Tainara Araújo falará um pouco de sua doença, quais os desafios, sintomas, dificuldades e nos deixará uma mensagem de incentivo, acompanhe:

Grupo Solidary – Quando descobriu que possuía essa enfermidade?

Tainara: Descobri logo depois de completar 19 anos.

Grupo Solidary – Passou por algum constrangimento devido à enfermidade?

Tainara: Não senti nenhum constrangimento, só quando comecei a quimioterapia que cai o cabelo e eu enquanto pessoal fiquei chateada, mas encontrei muito apoio com minha família e superei isso.

Grupo Solidary – Como conheceu a Alivi? Como é o tratamento de seus Profissionais e Diretores?  

Tainara: Até descobri a Leucemia passei por vários diagnósticos errados. Quando descobri tive um acompanhamento multidisciplinar.

Tive várias sequelas como perda da visão e fui muito respaldada pelo Hospital Regional da minha cidade (Santarém).  

Conheci a Casa de Apoio através da Assistente Social do Hospital das Clínicas, fui acolhida com minha mãe e irmão na primeira vez e agora para o transplante a casa também apoiou minha irmã (doadora de medula) e a tia porque minha irmã é menor de idade então ela veio acompanhar.

Sem este apoio seria complicado porque não temos dinheiro para pagar uma pensão ou hotel. A Alivi oferece uma casa grande, cama, Tv, alimentação…… é uma ajuda importante para continuar o tratamento fora da nossa cidade.

Grupo Solidary – Quais são as complicações do tratamento, quais sintomas você sente?

Tainara: Já tive todas as complicações. O tratamento é longo e sofrido, vários exames, quimioterapia, radioterapia.

Os sintomas da doença é a fraqueza que confunde com tantas outras doenças.

A reação da quimioterapia é: diarreia, vômito, feridas na boca, calafrio, febre, dor nas pernas, cansaço, falta de sono, falta de apetite, existem vários e cada um sente algo ou tudo junto depende de cada pessoa. Eu não senti nada na primeira fase do tratamento, só na recaída que quase morri, acho que se não fosse à força da minha família e Deus. Agora estou 100% feliz e com o transplante estarei 1.000%.

Grupo Solidary – Além do tratamento e orientações médicas, faz ou busca algo que ajude na recuperação?

Tainara: Sempre tive muita fé em Deus e com a doença aumento mais. Tenho muito apoio da minha família e dos médicos, isso tudo ajuda na luta contra a doença.

Grupo Solidary – Muitas pessoas reclamam encontram dificuldades na vida, qual mensagem deixaria para essas pessoas?

Tainara: Nunca reclame de nada na vida, mesmo se tiver uma doença como esta. A vida é muito curta e devemos viver intensamente. As dificuldades vêm para aprendermos a nós tornar seres humanos mais perfeitos.

O Grupo Solidary agradece a moradora pela entrevista concedida e com certeza estaremos juntos no dia 29/09/2013 na ação promovida pelo Grupo Solidary…

Em nossa segunda entrevista conversamos com uma das coordenadoras da Alivi. A Sra. Lurdes Luchesi.

 

images2

 

Ela irá nos trazer mais informações sobre a Alivi, falará como se sente a frente de um trabalho tão importante, as dificuldades e nos falará sobre casos vivenciados, acompanhe:

Grupo Solidary – Descreva um pouco da Alivi, Como a conheceu? Como se tornou uma das Coordenadoras?

Lurdes: Sempre estive comprometida com filantropia, primeiro por convivência com o LIONS CLUB, onde meu pai participava com o decorrer do tempo me despertou o interesse por agir como voluntária em algum projeto, após visitar algumas instituições, me encantei com o projeto ALIVI, isso há 15 anos passados, por ser uma entidade séria, e que necessitavam de ajuda, resolvi me dedicar com mais comprometimento, iniciando um trabalho Junto a amigos, o que vem aumentado dia a dia, o que me deixa muito feliz e com vontade de continuar nessa caminhada em prol de quem precisa de nossa solidariedade.

Grupo Solidary – Qual a sensação de estar à frente de uma Instituição que visa ajudar o próximo?

Lurdes: Nestes meus 15 anos de trabalho voluntário, minha mãe achava que eu era maluca, mas respeitou minhas necessidades. Chegando à Casa da Paz a pessoa responsável falou que eu poderia ir pra escutar as histórias dos moradores. Comecei escutando um depois de algum tempo tinha 20 idosos conversando. Senti que estava ajudando de alguma maneira. Esse sentimento de fazer alguma coisa pra qualquer pessoa sempre existiu dentro de mim. Fui crescendo e o voluntariado sempre foi junto.

Grupo Solidary – Quais são as dificuldades que a Alivi encontra para realizar seu trabalho?

Lurdes: Somos uma ONG, não recebemos nenhuma verba dos órgãos públicos, recebemos exigências e regras a seguir só isso. Vivemos exclusivamente de doações, cada dia é um dia, e esta é nossa maior dificuldade, conseguir manter uma estrutura grande (4 unidades) pagando funcionários, água, luz…….

Grupo Solidary – Quais são as dificuldades que a sra como pessoa encontra? (tempo, familia, etc).

Lurdes: Cheguei num estágio que consigo administrar vida pessoal com a profissional. É um trabalho de dedicação, carinho e atenção e isso exige 24h de mim. Aprendi com o tempo, sem desligar o celular, a gerenciar e acreditar na equipe com a qual trabalho. A equipe de trabalho é essencial para a execução de qualquer atividade. Demorei a montar a equipe, mas ela existe e supre minha ausência que necessário.

Grupo Solidary – Conte-nos um ou mais casos que tenha impressionado e que carrega com você como aprendizado?

Lurdes: Olha, tanta gente passou pela Alivi, tantos casos marcam minha vida, cada um de uma maneira, uns me ajudaram a conhecer o ser humano como um ser imperfeito, até entrar na Alivi não acreditava que alguém pode queimar uma criança, violentar, espancar, excluir um ente querido por causa de doença….. Sai desta redoma de vidro que muitas pessoas se colocam e conheci o que chamo de outra sociedade, a sociedade dos excluídos, dos diferentes… Aquele para qual uma boa parte da sociedade fecha os olhos para não se comprometer.

Não citarei um caso específico, cito a ATITUDE, como algo que marcou minha vida, aprendi muito mais que recebi das pessoas internas da Alivi. Aprendi a respeitar qualquer pessoa independente do seu passado ou história que tenha vivido.

Grupo Solidary – Deixe uma mensagem para os internautas que visualizaram essa entrevista em nosso Blog.

Lurdes: Nunca julgue ninguém por sua beleza ou falta dela, por sua deficiência, por seus vícios. Se quer ajudar alguém não faço por piedade, faça sem pré-julgamentos, faça com humildade e acima de tudo com muito amor.

O Grupo Solidary agradece a Sra. Lurdes pela entrevista concedida e com certeza estaremos juntos no dia 29/09/2013 na ação promovida pelo Grupo Solidary…

Abraços!

Imagem

A Associação Aliança Pela Vida – ALIVI é uma associação civil, sem finalidade lucrativa, fundada em março de 1989, com o objetivo de prestar apoio às pessoas vivendo com HIV/AIDS e também a pessoas em tratamento contra o câncer.
A ALIVI procura resgatar as condições socioeconômicas das pessoas acolhidas, oferecendo-lhes atenção à saúde, educação e aprendizagem em atividades de geração de renda, visando a reinserção social e familiar.

Ontem dia 18/08/2013 o Grupo Solidary teve a oportunidade de conhecer de perto a ALIVI e se surpreendeu com o carinho que foi recebido por seus administradores, funcionários e principalmente das pessoas que as casas cuidam, tivemos a oportunidade de saborear um delicioso bolo de cenoura com chocolate, feito com muito carinho…

A Alivi tem como objetivos: 

I – prestar atendimento social às pessoas pobres, carentes e desamparadas, portadoras do vírus H.I.V/A.I.D.S., especialmente os que sofram outros problemas sociais e que não tenham domicílio ou residência, possibilitando-lhes uma vida comunitária e a mais humana possível;

II – tratar e prestar apoio social à pacientes portadores do vírus H.I.V/A.I.D.S, pobres e desamparados em seus domicílios;

III – desenvolver atividades de informação, educação e comunicação, especialmente visando à prevenção e combate à A.I.D.S.;

IV – lutar pelos direitos sociais dos portadores do vírus H.I.V/A.I.D.S.;

V – prestar atendimento social à criança e ao adolescente carente, especialmente as vitimadas pelas consequências sociais da A.I.D.S., proporcionando-lhes o bem-estar, educação e moradia.

VI – acolher pessoas com câncer que moram em outras cidades e que estão á espera do transplante de medula óssea, abrigando essas pessoas cuja permanência na cidade se prolongue devido o tratamento.

VII – dar um atendimento acolhedor e digno a pessoas portadoras de câncer que encontram-se em tratamento de quimioterapia e radioterapia.

Hoje a Alivi conta com 4 casas, todas elas na zona norte da cidade de São Paulo, abaixo descrição de cada casa:

1) Casa PAZ ( Adultos com portadores de HIV ) – Rua Elza Guimaraes, 506 

2) Casa das Crianças ( Crianças com HIV, e abandonadas ) muitos foram adotados apenas 6 crianças, chegando outras. Rua Jose Arnoni, 29 – Jardim Tremembé Zona Norte

3) Casa do Câncer ( Pacientes e familiares com Câncer). Rua Jose Arnoni, 29 Jd Tremembé Zona Norte

4) Casa Terra da Promessa ( 120 adultos portado HIV, usuário de droga, bebida ), na Serra da Cantareira 

Caso queiram ajudar a casa de maneira direta, segue o número da conta corrente para sua colaboração, que com certeza será muito importante para eles:

Banco Itaú – Agência: 0593 – Conta Corrente: 49257-2 – Associação Aliança pela Vida – Alivi – CNPJ: 60.737.178/0001-41

 

CONTATO: LURDES – 99529-3719

O que iremos arrecadar:

Alimentos

Materiais de Limpeza 

Produtos de Higiene Pessoal 

Aquecedores  

Camas Hospitalares 

Aceitamos doação em dinheiro para comprarmos vossa doação, o dinheiro será destinado a maior necessidade da casa.

E o mais importante, sua presença, para distribuirmos carinho….

E que for arrecadado seja em dinheiro ou algo mencionado acima, será publicado em nossa página do Facebook, para conhecimento e de todos que trabalham conosco e garantir a transparência com todos os doadores….

O Fim da campanha está marcado para o dia 29/09/2013, com a visita e entrega das doações, com horário a definir, é muito importante à presença de muitas pessoas para que possamos levar juntos amor e carinho para quem precisa, durante esse tempo, estaremos trazendo algumas publicações em nossa pagina do Facebook, Blog e Twitter pedimos carinhosamente que compartilhem com vossos contatos afim de atingirmos um número grande de pessoas e assim poder ajudar ainda mais a ALIVI…

O Grupo Solidary conta mais uma vez com a ajuda de vocês amigos…

FAZER O BEM SEM VER A QUEM!

Grupo Solidary

Imagem
Leia o resto deste artigo »